menu

Image Map

domingo, 17 de abril de 2016

NOVO MÉTODO PARA ESTIMULAR A CAPACIDADE INTELECTUAL DAS CRIANÇAS




Pesquisadores da Universidade de Uppsala, na Suécia chegaram à conclusão que, de fato, existe um método que é capaz de estimular a capacidade intelectual de crianças, desde a idade de alguns meses.  O mais interessante é que o método, utiliza uma plataforma realmente amigável e intuitiva, de baixo custo e fácil acesso para a grande maioria das pessoas.
A pesquisa demonstrou que crianças ou até mesmo bebês, desenvolvem não só sua parte intelectual, cognitiva, mas, também sua capacidade criativa, além de constatarem o estabelecimento de vínculos afetivos mais sólidos, dentre os que foram submetidos à essa nova metodologia.
Em geral, pais demonstram uma certa preocupação em como desenvolver de forma mais plena, o potencial dos seus filhos. Nesse afã, se tornam, em alguns casos, vulneráveis a alguns modismos ou tecnologias sem nenhuma comprovação de eficácia. Desde tocar música clássica enquanto o bebê ainda está na barriga da mãe, até a aquisição de móbiles que se propõem a desenvolver aptidões matemáticas nas crianças. O que os pesquisadores suecos nos apresentaram prova que bebês e crianças podem ser estimulados, no entanto a tecnologia envolvida é mais simples do que se supunha.
Mas, nem tudo é perfeito. Este método exige, ao menos, a aquisição da plataforma e um adulto com tempo e desejo de utilizá-la com a criança. A partir de uma certa idade, a própria crianças será capaz de manusear a plataforma, mas, mesmo nessa fase, a presença de um adulto, participativo, interagindo, potencializa os benefícios da metodologia. Somente a partir de 7 a 8 anos é que a plataforma apresenta modelos nos quais a criança será capaz de fazer todas as etapas do método, de forma autônoma.
A esta altura, a curiosidade de alguns deve estar suficientemente aguçada, enquanto que outros já estão no limite de perder a paciência- mas, afinal que metodologia é essa, eficaz, barata, acessível e que roda em plataforma intuitiva e amigável.
Os suecos comprovaram que Lições Interativas de Visualização e Relacionamento de Ordem afetiva, de fato constitui um método, até hoje inigualável de estimulação intelectual e emocional da criança. Mas que método é esse, afinal de contas? Peguemos as primeiras letras de cada palavra e teremos:
LIVRO!



Daqui, ouço um óhhh de decepção, vindo de um grupo de pais mais high-tech, ligados em novidades, para quem o progresso terá sempre uma solução melhor do que o passado. Também vejo um sorriso amarelo de alguns pais que, esperavam algo mais do que um livro! Meu lado otimista (que não é muito desenvolvido) consegue supor alguns sorrisos de pais que, por experiência própria (são leitores) conhecem o poder que livros possuem no desenvolvimento do ser humano.
Brincadeira à parte, há um consenso entre diferentes profissionais de saúde que, se fossemos escolher um método de desenvolver a capacidade cognitiva das crianças este seria a leitura de livros, já a partir dos 6 meses de idade. Claro que não é o único e todos são complementares. O brincar criativo, com sucata doméstica, argila, tintas, pinceis, colagens, seria outro. As brincadeiras ao ar livre como saltar, girar, pedalar, nadar, desenvolvendo, de forma lúdica as capacidades motoras, seria outro. Lembrando que nenhum método, sem o carinho dos adultos, funciona!
Vejam que as telas e monitores não constam no topo da lista. Isso porque, em princípio,  sugerem mais passividade e menos criatividade, no máximo, reatividade, reflexos. E, vamos nos lembrar que programas muito rápidos, agitados, podem desenvolver nas crianças pequenas uma “necessidade” de hiperestimulação. Se não forem hiperestimuladas, sentirão tédio o que pode gerar dificuldades no momento da alfabetização, que é, obrigatoriamente, lenta.
Retornando ao LIVRO, este é um estimulador da criatividade, na medida em que o leitor (ou, no caso da criança- ouvinte), cria a história na sua cabeça. Serão sempre 3 porquinhos e um lobo, mas cada um cria os seus 3 porquinhos e o seu lobo! Além desse aspecto, a proximidade física com quem conta a história, cria um momento de vínculo afetivo, com contato corporal. Não se trata apenas do carinho de quem provê, mas do afeto de quem toca (e se deixa tocar). A leitura pode contribuir para a implantação de determinadas rotinas, como dormir ou jantar. Sinalizam mudanças de ritmo (da brincadeira mais agitada, para um momento mais calmo). Um aspecto pouco lembrado é o de que  nós, adoramos contar histórias! Falamos há aproximadamente 70 mil anos e escrevemos há uns 10 ou 12 mil anos. Portanto, passamos 60 mil anos da nossa existência dependendo exclusivamente de contarmos histórias, para crianças e adultos, assegurando que o conhecimento e a experiência fossem transmitidos, garantindo que chegássemos até aqui. Por esse motivo, ler não é intuitivo, como conversar. Ao contarmos histórias, usando livros, unimos a fala com a escrita e podemos desenvolver nos nossos filhos o hábito da leitura. Um hábito que, por não ser natural, precisa ser desenvolvido de forma gradual e prazerosa. Afinal de contas, hoje, a informação de qualidade, se encontra publicada, impressa. A capacidade analítica, crítica, o entendimento de complexidades como a vida em sociedade, economia, medicina, engenharia, astronomia, cultura, arte etc. vai depender da capacidade de leitura da pessoa. Em um mundo competitivo essa competência pode fazer a diferença, além de ser um hábito que produz prazer a quem o desenvolveu. Vejam quantas razões (e emoções) justificam o desenvolvimento do hábito de ler.
Se alguém ficou chateado com a brincadeira dos pesquisadores de Uppsala, peço desculpas. Só queria chamar a atenção, de forma provocadora, para a importância do livro. E boa leitura com seus filhos!

Texto autoria: Dr. Roberto Cooper. https://robertocooper.com/





Nenhum comentário:

Postar um comentário