menu

Image Map

domingo, 7 de junho de 2015

COMO COLOCAR LIMITES NA CRIANÇA!



Existem assuntos que não se esgotam em um ou dois posts e o tema dos limites, certamente é um destes. Limites fazem parte das nossas vidas e não são produto apenas da civilização ou cultura. Convivemos com limites que são físicos, naturais, decorrentes da nossa natureza. Não respiramos debaixo d’água, não voamos, precisamos de afeto, dormir, beber água e comer. Pequenos exemplos de limites do nosso dia a dia que, por serem naturais, nem nos damos conta. Ninguém pensa em entrar no mar sem saber nadar, ou pular da janela, batendo os braços, supondo que vai voar. A estes limites, se somam todos os outros que tornam o convívio mais cordato e organizado. Em um palavra, mais civilizado.
Do mesmo modo que nenhuma mãe ou pai hesitaria em pegar seu filho sentado na beira da janela, sem consultá-lo, saber sua opinião e pouco se importando com o choro e espernear, todos nós devemos ter essa mesma firmeza e convicção quando se trata de dar, às crianças, outros limites. No post de hoje, fugindo um pouco ao meu estilo e convicção de não adotar regras, vou tentar dar algumas dicas para que o assunto da colocação de limites não fique muito vago ou filosófico.
O ponto de partida é que a noção de que autoridade é algo natural e reconhecida por todos. Pode haver uma confusão entre autoridade e autoritarismo, que iniba os pais. Esta última é quando alguém abusa da autoridade que porventura tenha. Já o exercício da autoridade é desejável é benéfico. Muitos pais, com receio de serem autoritários, abrem mão da sua autoridade. O primeiro passo para que possamos colocar limites é não termos o menor receio em utilizarmos nossa autoridade de pais.
O segundo ponto, é o de aceitarmos, antecipadamente, a reação de nossos filhos. Precisamos estar preparados para  reações de descontentamento, furor, raiva, ira, ódio, sem que estas gerem, em nós, culpa ou recuo no limite imposto. Lembrem-se do exemplo da criança sentada na janela. Pode espernear à vontade que, sem negociar nada, a tiraremos de lá!
O terceiro ponto é que a introdução e manutenção de limites pode ser frustrante, na medida em que exigirá repetições e  muita paciência. Nenhum de nós, quando criança, aprendeu um comportamento desejável com uma única instrução! Impor limites não é uma corrida de 100 metros raso, é uma maratona e, como tal, exige preparo, paciência e perseverança.
A seguir, dou algumas sugestões para aquelas situações onde a criança parece não nos ouvir. Não são regras! Apenas, tento separar um pouco situações, permitindo ou desejando que os leitores do blog, tirem suas próprias conclusões e implementem seus métodos, feitos sob medida para seus filhos.
CONSEQUÊNCIAS NATURAIS- Em algumas situações em que a criança ignora o que dizemos, podemos deixá-la experimentar o que pode acontecer se ela não nos obedecer ou se comportar como desejado. Claro que estou falando de situações onde não haja nenhum risco para a criança. Por exemplo: se uma criança atira a comida no chão e não para, mesmo quando advertida, podemos deixar que ela perceba que a comida vai acabar e ela ainda vai estar com fome. Ou, se atira os brinquedos e estes se quebram, podemos deixá-la descobrir que esse comportamento a deixará sem brinquedos inteiros.
CONSEQUÊNCIAS LÓGICASEstas são situações onde os pais vão interferir para criar uma consequência. Se você não fizer (ou fizer) isto, então, vai acontecer aquilo. Por exemplo, se você não guardar os seus brinquedos agora, eu vou tirá-los daqui e você só os terá de volta ao final do dia. Nesta forma de agir, algumas atitudes fundamentais:
  • Não ameace e deixe de fazer.  Faça exatamente o que disse que faria. Portanto, pense antes se a consequência lógica é algo que você está preparado para implementar.
  • Nunca retire algo que seja uma necessidade real da criança, como por exemplo, uma refeição.
  • Introduza a consequência o quanto antes. Não adie o que disse que iria fazer. Por exemplo: se você não guardar seus brinquedos agora, amanhã você ficará sem usá-los. Melhor seria dizer que se você não guardar seus brinquedos agora, eu vou fiar com eles e você não vai poder brincar , até mais tarde.Para crianças maiores (a partir de 7-8 anos), que saberão fazer a conexão entre o comportamento indesejável e a restrição, essa suspensão pode se dar algumas horas mais tarde. Exemplo: não ver televisão à noite.
  • Não é necessário gritar. Basta ser firme e responder às reações prováveis, com calma.
  • Não é preciso gastar muito tempo explicando ou negociando a consequência. A autoridade é sua e você a usou. Explicações em excesso podem confundir a criança ou sinalizar para ela (dependendo da idade) que você não está seguro ou sentiu culpa por impor um limite.

EXPULSAR DE CAMPO OU PENSAR UM POUCO NO QUE FEZ- Este tipo de atitude funciona  para regras que foram desrespeitadas por crianças a partir de 2-3 anos. Para que funcione melhor, leve em consideração as seguintes observações:
  • REGRAS ESTABELECIDAS PREVIAMENTE definam duas ou três regras (não mais) que não podem ser violadas (bater em alguém, mexer em algum lugar onde haja risco etc.). Expliquem as regras para seu filho. Isso pode exigir muita repetição!

  • DEFINAM UM LUGAR PARA FICAR “FORA DE CAMPO” OU PENSANDO-  de preferência, um lugar sem atrativos (brinquedos, livros, TV), como uma cadeira ou banquinho.  O quarto inteiro pode se tornar um play! O berço ou cama, por ser um local do sono, atividade salutar, não deveria ser uma primeira escolha para um castigo. Escolham um lugar seguro. Banheiros e cozinha podem ser perigosos.

  • QUANDO COMEÇAR? em geral, vale um primeiro aviso, informando à criança que, caso a regra seja quebrada novamente, ela irá para o cantinho dela, pensar um pouco. Esta orientação pode ser abolida nos casos de agressão, onde os pais podem decidir que não há aviso prévio. Se a criança repetir o comportamento, os pais devem informar que isso constitui uma violação da regra e que deverá pensar um pouco no que fez. Essa comunicação deverá ser feita no tom de voz mais neutro possível (muitas vezes difícil). Se a criança resistir a se dirigir para o cantinho, pegue-a  e  leve para o lugar definido. Não dê ouvidos a apelos, promessas, desculpas, ofensas etc. Repita apenas que a está levando para o seu cantinho porque ela precisa pensar no que fez.

  • QUANTO TEMPO NO CANTINHO?  O suficiente para que a criança se acalme. Quanto menor a criança, menos tempo. Mesmo crianças maiores não devem ficar muito tempo. Os americanos, que adoram quantificar, sugerem que um minuto por ano de idade seria razoável. Assim, para uma criança de 4 anos, 4 minutos pensando no cantinho estaria ótimo. Mas, mesmo com 4 anos, pode ser menos tempo. No entanto, se, durante a permanência no cantinho a criança recomeçar a resmungar, não hesitem em recomeçar a contagem do tempo.

  • RETOMANDO AS ATIVIDADES- Quando o tempo de pensar estiver encerrado, ajude seu filho a voltar à brincadeira. Não dê broncas ou lições nesta hora. Não peça para a criança se desculpar pelo que fez nem você, em hipótese alguma, peça desculpas por tê-la colocado para pensar.  Se quiser falar sobre o comportamento do seu filho, faça em outro tempo.






Lembro que cada criança se desenvolve de uma maneira própria. Portanto, antes de punir um comportamento indesejável, certifique-se de que seu filho compreende e consegue fazer o que esperam dele.

Nunca é demais reforçar a importância de pensarmos antes de falarmos. Uma vez que você definiu uma regra ou disse que faria tal coisa, seja coerente. Por isso, é fundamental ser realista e, com a cabeça quente, tendemos a dizer coisas que não vamos conseguir cumprir. Também é importante manter uma certa consistência, tanto com a regras, quanto com as consequências. Se tudo muda, todos os dias, a criança ficará confusa e testará os limites, simplesmente para aprender quais são (os novos).
Não tenha medo dos “ataques” das crianças. Ceder a um ataque só ensina as crianças que esta estratégia dá certo!
É fundamental prestar atenção em algum padrão de comportamento e/ou nos sentimentos da criança. Se os pais percebem que o comportamento é motivado por, por exemplo, ciúmes, devem falar sobre o assunto e não somente repreender a criança pela sua atitude. Se a criança não quer guardar suas coisas,  e parece triste depois que um coleguinha foi embora, os pais podem reconhecer este sentimento, sem deixar de exigir que faça o que deve ser feito: sei que está triste com a ida do amigo, mas, é preciso guardar suas coisas.
Tentei, neste post, mostrar que existem algumas abordagens para a introdução de limites e o desenvolvimento de comportamentos desejáveis. Para quem me conhece, vou repetir uma metáfora que me parece apropriada. Quem só tem um martelo, enxerga todos os problemas como sendo pregos!  Introduzir limites e desenvolver comportamentos é uma tarefa mais fácil se tivermos uma “caixa de ferramentas” à nossa disposição. Em alguns momentos, firmeza, repreensão. Esta, pode ser implementada de várias formas com relatei acima. Em outros momentos, conversas, compreensão. Haverá momentos onde a negociação poderá funcionar e até certas flexibilizações podem ser possíveis. Mas, em todos esses momentos, haverá amor. Limites são uma expressão de amor, ao passo que liberdade plena, para uma criança, pode ser percebida como abandono.
Sejamos pais amorosos, dando limites aos nossos filhos. Serão adultos com mais autonomia, auto-estima e adaptados para viver em um mundo onde nos deparamos, diariamente, com limites e frustrações.

Texto: Dr. Roberto Cooper



2 comentários:

  1. Gostei muito do teu blog!
    Se puderes vista o meu e se gostares segue...se seguires deixa comentário :)
    Beijinhos

    http://beautifullsecrets.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Dicas super importantes
    http://www.taayvargas.com/

    ResponderExcluir