menu

Image Map

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

CALEB X SANDY, UMA DIFÍCIL CONVIVÊNCIA!

Quando eu fiz 1 ano de casamento, me sentia muito sozinha pois sai de Belo Horizonte e fui morar em uma cidade do interior onde meu esposo trabalha atualmente. Antes de casar minha rotina é super corrida, faculdade e trabalho, só chegava em casa á noite. E depois que me mudei cheguei aqui na cidade sem nada para fazer, sem trabalho, sem faculdade, não conhecia ninguém, foi ai que eu tive a ideia de comprar um cachorrinho para me fazer companhia.

Como moramos em apartamento, pensamos em comprar cães de raças pequenas e que vivem tranquilamente bem dentro de um apê. Depois de muitas pesquisas decidimos comprar uma cadela da raça Maltês, fiquei encantada com a raça, eles são pequeninos, meigos, e tão branquinhos. Foi amor á primeira vista. Rsrsrs! 

Então compramos a nossa Sandy mas conhecida como Sandynha ou San. Rsrsrs!

A Sandy virou o centro das atenções aqui em casa e na casa dos meus pais, toda vez que íamos para Belo Horizonte eu  a levava para passear. Ela tinha 40 dias quando a compramos, era bem calminha, quase não latia. Mas no decorrer dos meses e anos a Sandy foi ficando cada vez mais sapeca, desobediente e late horrores e por qualquer coisa. Eu sempre brinco dizendo que ela é fêmea mas tem o espírito de macho, de tão arteira que é. Ela sempre foi muito bem tratada por nós, para falar a verdade eu a tratava como um bebê, comprava roupinhas, perfumes, lacinhos, vivia enfeitando ela. Rsrsrs!










Em 2012 eu engravidei do Caleb,  e ai vieram algumas preocupações, principalmente quando as pessoas me perguntavam e agora o que você vai fazer com a Sandy? Vai dar ela para alguém? Como se a Sandy que nós tanto amamos fosse um objeto, algo que você usa e depois descarta. JAMAIS!

Ainda grávida do Caleb na fase que estávamos montando o enxoval e arrumando o quartinho, eu sempre assistia os vídeos do Dr. Pet, e ele dizia que era bom deixar o cachorro cheirar as roupinhas do bebê para que ele já vá ambientando com o novo membro da família. Eu tinha a sensação de que a Sandy sabia que logo...logo, iria perder o espaço dela. 






Nunca vou me esquecer dos momentos especiais que passei com a San durante minha gravidez. Eu tive que ficar de repouso absoluto quando estava no 7º mês de gestação, estava tensa, chateada, entendiada de ficar deitada o dia inteiro e quem não saia de perto de mim um segundo, minha Sandynha, ela sempre foi assim companheira e fofa. 

Quando as pessoas me diziam que eu não ia conseguir dar conta de cuidar do Caleb e da Sandy, eu achava besteira e dizia que ia dar conta sim. Mas a realidade foi outra. Eu com o Caleb recém-nascido, sozinha o dia inteiro, sem ninguém para me ajudar, meu esposo trabalhando fora e só chega á noite. A Sandy ficou extremamente ciumenta depois que o Caleb nasceu, latia toda vez que eu o pegava no colo, latia para ele enquanto ele estava no berço. Era um estresse, os latidos dela são tão fortes e alto que sempre acordava o Caleb.

A agressividade dela foi me preocupando muito. Tinha esperança que fosse passar, pensei que era só uma fase.





Hoje o Caleb está com 2 anos, e até hoje a Sandy não gosta dele. O Caleb adora animais mas como ele ainda é novinho não sabe brincar corretamente com o bichinho. Quer puxar as orelhas, o rabo, o pelo e por ai vai. E por conta disso a agressividade dela aumentou mais ainda, ela rosna para ele, e já tentou morde-ló algumas vezes. Tinha dias aqui em casa que eu ficava desorientada, tinha que separar os dois toda hora.

A minha alternativa no momento foi deixa-lá na casa dos meus pais. meu pai é apaixonado pela Sandy, faz de tudo por ela. Isso me deixa muito tranquila e feliz, saber que ela esta sendo bem cuidada, mas confesso que ao mesmo tempo fico triste e morrendo de saudades dela. Quando estou vindo embora, ela fica louca começa a latir, me vê pegando as malas, é complicado!  

De vez em quando ela fica aqui em casa, uma ou duas semanas, depois levo novamente para a casa dos meus pais, ou quando meus pais vem nos visitar traz ela. Por enquanto terá que ser assim, a minha esperança é daqui pra frente quando o Caleb tiver mais idade, vou ensina-ló como brincar com animais, quem sabe a Sandy passa a gostar dele. O que eu não posso é deixar os dois neste pé de guerra, e ela morder meu pequeno.


E vocês mamães que tem animal de estimação em casa, como é a relação dele com o seu bebê? 

Conte pra gente.









Nenhum comentário:

Postar um comentário